Accéder au contenu principal

O Vidro

Pintura em Vidro


Breves considerações sobre o vidro

Já no antigo Egipto, o vidro era sobejamente apreciado e trabalhado por inúmeros artífices, existindo, ainda hoje, vestígios de obras em vidro, nomeadamente superfícies vidradas pintadas.
Na Idade Média, o vidro colorido transmitia um grande fascínio sobre as pessoas. Nessa época muitas igrejas foram adornadas com vitrais. Hoje, é possível pintar vidro com cores transparentes. O efeito é semelhante ao do vitral a chumbo e a técnica é mais simples.
Para encontrar objetos de vidro apropriados para pintar existem inúmeras possibilidades. Claro que deve optar-se por formatos que achemos mais interessantes, eventualmente, peças únicas encontradas em antiquários. No entanto, de simples peças usadas ou mesmo danificadas, poderemos executar trabalhos de rara beleza e exclusivas no seu design.
Pode escolher-se vários tipos de vidro: transparente, translúcido ou martelado. Este, normalmente, é liso numa das faces e é esta que deve ser pintada. No caso de se utilizar vidro colorido, deve atender-se a que as cores utilizadas poderão alterar-se na sua tonalidade.
As tintas são líquidas e encontram-se no mercado em forma de cores transparentes e opacas (vitrais e esmaltes). Secam parcialmente em cerca de duas horas. O tempo de secagem completa varia conforme a temperatura e a espessura de tinta aplicada.
Os pincéis devem ser redondos e de pêlo macio. Dois tamanhos são suficientes para fazer um bom trabalho: um fino e um médio.
Também na Europa de Leste, a pintura floral sobre o vidro era usada e muito popular, assim como nas Ilhas Britânicas, onde podem ser observadas verdadeiras riquezas artísticas nos vitrais multicoloridos.
Na atualidade, muitos artistas dedicam parte do seu tempo à elaboração de obras - pinturas em vidro -, agora, evidentemente, com a utilização de materiais modernos, não existentes outrora, facilitando a execução. Alguns desses materiais permitem, inclusivamente, simular superfícies vidradas, nomeadamente na obtenção de suportes parecidos com o vidro fosco, construindo aí a beleza em quadros lindíssimos.
A pintura sobre o vidro oferece um número infindável de possibilidades e técnicas que estimularão certamente qualquer artista dos mais humildes aos mais conceituados. Padrões simples ou complexos, pintura de flores ou paisagens são apenas alguns exemplos de motivos que poderão resultar em experiências enriquecedoras e belas obras que servirão de incentivo à continuidade de procurar técnicas novas e nuances pessoais.
Para quem começa a arte de pintar o vidro bastarão duas ou três cores diferentes e um simples pincel. Superfícies vidradas não faltarão em qualquer casa: frascos pequenos ou maiores - por exemplo os usados para as compotas -, ou garrafas das mais variadas - de água, vinho ou de outras bebidas -, algumas delas constituindo por si só autênticas obras de arte.
A observação atenta de alguns objetos de vidro podem servir de inspiração e estímulo para os aventureiros e aventureiras na arte de pintar em superfícies vidradas.

Commentaires