3000.2.jpg

NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

As lojas chinesas estão a tornar-se uma praga, graças à pouca cultura que a nossa gente tem. Cada vez que compram um produto chinês, nós os portugueses e Portugal, ficamos mais pobres. Além disso, ao comprarmos produtos chineses estamos a empurrar mais portugueses para o desemprego.

Digam-me o que é que os comerciantes chineses compram nas lojas portuguesas? Porque é que não têm, também, alguns produtos portugueses nas suas lojas? O que me parece é que eles praticam um quase racismo comercial, relativamente aos produtos portugueses. A forma de os fazer mudar de estratégia é, ao entrar nas suas lojas, questioná-los, pedir-lhes produtos portugueses. Se sabem que somos nós que lhe demos dinheiro a ganhar, também deviam pensar um pouco em retribuir e não só mandar dinheiro para a China. A maior parte dos produtos chineses não têm qualidade, pelo que lembramos: «quem se veste de ruim pano, veste-se duas vezes no ano.»

Tintas

Mistura de Tintas

Para reproduzir as cores da natureza e dos objectos é necessário um exercício constante de observação atenta e mistura de tintas. Para este exercício podem usar-se, pelo menos, as cores branco de zinco, amarelo de cádmio, vermelho vivo, verde esmeralda e azul cobalto. Escolha-se um modelo com uma determinada cor. Distribuam-se na paleta as cinco tonalidades referidas, consideradas básicas.

Ler mais...

A "Arte da Fibra"

Tapeçaria ou "arte da fibra"

A tapeçaria ou "a arte da fibra", como hoje é conhecida, é a vertente artística que mostra as relações entre a tradição e as tendências mais modernas dos nossos dias. Até à década de 1960 o método era a reprodução artesanal de motivos criados pelo artista pintor. A partir daí foram introduzidos novos métodos de pensamento e de experiência e notou-se um envolvimento do próprio autor na criação da tapeçaria.

Ler mais...

Pintura por Camadas

Técnica do esfumado

A pintura por camadas não pode ser efetuada  espontânea e rapidamente através de uma técnica mais apropriada para quem pretende transmitir uma emoção imediata ou a impressão do momento. Este modo de pintar é impróprio para obras que exigem precisão nos detalhes e acabamentos. Neste caso, o artista deve recorrer à pintura por camadas e por etapas, executada em várias sessões, o que lhe permite trabalhar os pormenores sobre uma base de tinta já seca.

Ler mais...

A Seda

Criação e pintura sobre a seda

Não poderá fazer-se referência à seda sem que se mencionem as suas origens: a amoreira e o bicho-da-seda. A amoreira é uma planta cujo fruto se designa por amora. O bicho-da-seda, assim chamada à larva do inseto que produz a seda, não se alimenta daquele fruto mas sim das folhas daquela planta. 

Ler mais...

Plasticidade

Pintura a Óleo

Nuances de plasticidade através da tinta sobre uma base húmida

De todas as formas de expressão pictórica, a pintura alla prima é a que mais possibilidades oferece no que diz respeito à plasticidade. Ela permite modelar as imagens com a tinta ainda húmida, criando empastamentos (camadas espessas de tinta), cuja textura e consistência valorizam o resultado final da obra. O efeito produzido pela pincelada imprime, assim, maior plasticidade ao trabalho, dando-lhe um relevo quase escultórico.

Ler mais...

Craquelar

Técnica para Craquelar

Para craquelar uma superfície utilizam-se dois produtos que, normalmente, podem adquirir-se num kit próprio em lojas de artes decorativas. Designaremos por "dois passos" os dois procedimentos principais para a execução do craquelado e que dizem respeito à aplicação dos dois produtos: base para craquelar e craquelador.

Ler mais...

Mufla

Funcionamento da Mufla

Depois de efectuado todo o trabalho de pintura sobre os azulejos com vidrado em cru, e para conclusão da obra, procede-se à sua vidragem.

Depois da colocação dos azulejos nas gazetes, estas são introduzidas na mufla que será fechada. Apenas um pequeno orifício existente na porta permite alguma "respiração" entre o interior quente e o exterior.

Ler mais...

O Azulejo em Portugal

História breve do azulejo em Portugal

Foram os árabes que introduziram o azulejo em Portugal. As primeiras utilizações conhecidas do azulejo no nosso país, como revestimento monumental das paredes, foram realizadas com azulejos hispano-mouriscos, importados de Sevilha cerca de 1503. Esta cidade espanhola foi um grande centro de produção de azulejos. 

Ler mais...

Pechiché estilo Queen Anne

Transformação visual de pechiché

Um móvel clássico antigo, cuja estrutura esteja em estado normal de conservação, poderá ser completamente modificado no seu aspeto visual, servindo depois como elemento de utilidade e decoração, mesmo em ambiente moderno. O móvel como mostra a imagem, um pechiché estilo Queen Ann, adquirido em casa de antiguidades, possui uma estrutura sólida em madeira de mogno.

Ler mais...

Feira dos Santos

Neste tempo de celebrações outonais, que para os nossos antepassados Celtas o dia um de Novembro correspondia à entrada de um novo ano, cai a Feira dos Santos de Chaves. Mas gostava de ver nos munícipes flavienses uma atitude mais participativa. Por exemplo, na Festa das Colheitas de Vila Verde (Braga) as lavradeiras, ricas e pobres, vestidas à antiga, marcavam presença com os seus produtos da terra ou da capoeira e faziam bom negócio. Numa ou duas horas deixei lá dezenas de euros. Viam-se as instituições de solidariedade e associações a fazerem pela vida. No stand das senhoras da Conferência de S. Vicente de Paula comprei um rico bolo seco de amêndoa e na tasquinha duma associação desportiva provei as papas de sarrabulho e as tripas. Só para dizer que gostava de ver mais a nossa gente do campo e da cidade com as mangas arregaçadas e a cara erguida. Não se pode viver só de subsídios ou de esmolas. Os Santos de Chaves não podem ser só uma feira semanal em tamanho macro, tem que ter mais cor, alma e vida. Salva-se a moribunda feira do gado.

Baga

Castas tintas - Baga

Esta casta de amadurecimento tardio dá frequentemente origem a tintos magros e tânicos que podem ser adstringentes quando jovens, mas que ganham complexidade com a idade. Em anos mais quentes ou devido a um hábil processo de amadurecimento e vinificação, a casta Baga pode produzir vinhos tintos densos com notas de cerejas damascos; com o envelhecimento ganham sabores mais complexos e fumados.

A sua área mais importante é a Bairrada, mas também cresce em outros lugares das Beiras, incluindo o Dão. É também utilizado como base para vinho espumante.

Informação “Academia Vinhos de Portugal” Wines of Portugal

Cinco Chagas

Festa das Cinco Chagas

A Festa das Cinco Chagas é muito antiga e também muito portuguesa, entre nós remonta aos primórdios da nacionalidade e consta simbolizada na nossa bandeira como testemunho dessa devoção e memória das cinco feridas que Jesus Cristo recebeu na Cruz e mostrou aos Apóstolos depois da Ressurreição. Festa de Igreja muito antiga, mas entretanto também muito nossa e que por isso mereceu de Camões, nos Lusíadas, estes patrióticos versos:

“Vede-o no vosso escudo, que presente/Vos amostra a vitória já passada,/Na qual vos deu por armas e deixou/As que Ele para si na Cruz tomou”.

Devoção que o Papa Bento XIV reconheceu ao conceder esta festa particular a todos os povos de língua portuguesa, e a partir dele todos os seus sucessores lhe seguiram o exemplo. Festa que tem o seu dia, a 7 de Fevereiro, e nesse dia o recordo hoje, apoiado em Jacob Vasconcelos, de quem li, em:

“Festa das Cinco Chagas do Senhor

Esta Festa Litúrgica, eminentemente Portuguesa, tem uma longa tradição que remonta aos primórdios da nossa nacionalidade, estando esta lusa devoção, desde recuados tempos, presente nas nossas bandeiras nacionais, sendo um dos poucos, senão o mais explícito símbolo que permaneceu nos mais diversos tempos.

A actual bandeira tem ainda presentes as Cinco Chagas de Cristo, que nem o vento do Liberalismo nem a fúria anticlerical da República ousou retirar. Poderão muitos perguntar-se acerca da devoção às feridas que Cristo recebeu na Cruz e que manifestou aos Apóstolos depois da Ressurreição.

Originária em São Bernardo, este culto manifesta uma dimensão marcadamente cristológica no nosso país. As chagas simbolizam a totalidade da Paixão e mais ainda da ressurreição. Esta festa recorda-nos o mistério da Redenção de Cristo em nosso favor. A sua actualidade reside essencialmente nisto.

É para Jesus Cristo que se dirige a nossa adoração, celebrando esta festa, para Ele que nos amou infinitamente e que nos manifestou esse amor através das suas Chagas. A popularidade desta festa era tal que levou o Papa Bento XIV a instituir esta festa litúrgica para o nosso país, com Ofício e Missa próprios, como ainda hoje acontece”.

Mirandela: Ciclovia da Cidade

Ciclovia da cidade para o Parque de Campismo da Maravilha

Foi uma estrutura ecológica criticada por muitos que não têm consciência de que só podemos viver num planeta sustentável ou com uma pegada ecológica mais reduzida.

Ler mais...