NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Atacar por atacar o adversário

Tinha pensado não dar qualquer importância, salvo cumprir o meu dever de cidadão no próximo dia 23, à campanha de Eleições Presidenciais que está a decorrer. Entretanto uma foto do candidato Professor Cavaco Silva que encontrei na Net fez-me mudar de pensamento, e desse modo abordar um assunto que parece surgiu, logo à partida, sem assunto capaz de seduzir os portugueses. Sem adversários políticos ou de cidadania capazes de por mérito próprio o vencerem, Cavaco Silva entrou na corrida à casa que já ocupa, como actual  Presidente da Republica, praticamente na situação de vencedor, testemunho bem expresso é o sorriso e o abraço que nessa foto parece estar a dar a todos os portugueses, sem excepção. Conscientes dessa realidade e da superioridade do adversário, os outros concorrentes nem ao trabalho se deram de apresentar projectos ao eleitorado e apenas vai de desatarem a lavar roupa suja e com isso sujar o nome de Portugal e das instituições que temos.

A democracia tem destes casos, permitir que o medíocre goze da liberdade devida a todos os seus concidadãos. Claro que aqui é o bom senso do cidadão que deve agir, e quando isso não acontece, ou funciona mal, quem acaba por pagar a factura é o erário publico, como tem vindo a acontecer neste País dos bananas, e não das bananas. É exemplo o governo que temos e também o comportamento dos adversários do actual Chefe da Nação Portuguesa, do qual diz um dos seus adversários, não devia ser reeleito porque ao contrário dele e dos seus camaradas é uma figura desconhecida internacionalmente.

Quanto a esse acusatório e menos verdadeiro juízo, recordo que também Al Capone conquistou a fama universal e nem por isso merece o respeito devido às pessoas honradas e ao povo trabalhador e sem voz para se fazer ouvir. Além de que lições de democracia, patriotismo e liberdade vindas dali…, têm o Metro do passado dia 11 para contrapor: "Com mais de três décadas de Parlamento, mas quase nula experiência de gestão de assuntos de Estado. Na realidade, Manuel Alegre foi secretário de Estado por escassos seis meses", e acrescenta: " fica na história por ter sido o governante que encerrou as quatro publicações do grupo da Sociedade Nacional de Tipografia, em Fevereiro de 1977, atirando para o desemprego 900 trabalhadores daquela que era, à época, o maior e mais prestigiado grupo de imprensa de Portugal".  "O Século", "Século Ilustrado", "Vida Mundial" e  "Mulher - Modas e Bordados", foram estes os contemplados... com a democracia de um dos candidatos a Belém. Daí que se tivesse de escolher outro que não Cavaco Silva seria Fernando Nobre o meu preferido, por se revelar o mais ponderado na linguagem e o menos contundente no atacar por atacar o adversário.

Boas Alheiras

Boas Alheiras em Mirandela!

Tenho olhado para as alheiras em geral e apreciado mais o seu paladar. Mas, já estou em idade de ter algum cuidado com as comidas. Sendo um apreciador da boa alheira, tenho de olhar para o seu aspecto saudável. É importante sabermos se a alheira é temperada com banha de porco (a alheira normal e mais barata) ou com bom azeite (a especial e um nada mais cara).

Ler mais...

Programa da Feira do Fumeiro de Vinhais 2018

A feira das feiras de fumeiro, de 8 a 11 de fevereiro, em Vinhais

PROGRAMA

08 QUINTA-FEIRA

14H00 -Abertura da Feira e dos Espaços de Exposição e Venda
Pavilhão do Fumeiro | Espaço Gourmet Restaurantes e Tasquinhas | Pavilhão do Artesanato e
Empresas | Exposição de Máquinas Agrícolas
15H00 - Fórum Agrícola (Centro Cultural de Vinhais)
18h00 - Cerimónia Oficial de Inauguração da 38.ª Feira do Fumeiro
18h00 - Danças contemporâneas

09 SEXTA-FEIRA

10H00 - Jornadas Técnicas do Porco Bísaro (Auditório da Casa do Povo)
11H00 - Concurso Nacional de Suínos da Raça Bísara (Mercado de Gado)
13H00 - Entrega Prémios do Concurso de Suínos da Raça Bísara (Mercado de Gado)
15H00 - Demonstração Culinária com os alunos do IEFP IEFP (Espaço Gourmet)
21H30 - Programa "A TORTO E A DIREITO" (em direto do Pavilhão do Fumeiro)
22H00 - Concerto com CUCA ROSETA

10 SÁBADO

11H00 Capítulo da Confraria do Porco Bísaro e do Fumeiro de Vinhais
14H30 Programa da RTP1 "AQUI PORTUGAL"
15H00 - Demonstração Equestre com Fado Cantado ao Vivo – Centro Hípico do Parque
Biológico (Praça de Touros)
15H00 - Demonstração Culinária com os alunos do IEFP (Espaço Gourmet)
21H30 - Apresentação do Carnaval de Vila Boa
22H00 - Concerto com DAVID CARREIRA
00H00 – Animação musical com Dj’S OLGA RYAZANOVA

11 DOMINGO

15H00 - Cerimónia de Entrega de Prémios do Melhor Salpicão
15H30 - Banda Filarmónica de Rebordelo
15h45 - Chegas de Touros de Raça Mirandesa (Praça de Touros)
15h45 - Concerto de Bandas de Música
16H00- Provas comentadas de vinhos de Trás-os-Montes (Espaço Gourmet)

Informação recolhida do folheto de divulgação da Feira do Fumeiro de Vinhais

Do Rio Douro ao Planalto

Régua, Pinhão, Favaios, Alijó

É na vasta Região Demarcada do Douro que se produz o famoso Vinho do Porto, assim conhecido nos quatro cantos do mundo. É do Porto porque daí parte após o seu envelhecimento, mas as suas raízes são do Douro, do Alto Douro Vinhateiro.

Este precioso néctar - o vinho tratado ou vinho fino - e os vinhos de mesa, apreciados e reconhecidos internacionalmente com inúmeros prémios, constituem hoje o principal setor económico da região. O grande investimento humano na transformação da paisagem do vale do Douro e das suas encostas até aos planaltos circundantes deram origem àquela que é a mais antiga região demarcada, com uma paisagem deslumbrante, jardim verde e de tonalidades exuberantes de espontaneidade artística e alterações constantes implementadas pelas estações do ano em conjugação com as diversas fases de crescimento da uva e das folhas.

Aqui se fixaram as populações desde a longínqua ocupação romana, delineando a História, à volta do trabalho agrícola incessante, sobretudo na cultura da vinha e produção de vinho.

Na zona ribeirinha da Régua, da margem sul do rio Douro (região de Lamego) logo se avistam para norte os montes mais próximos, suaves montes a construírem uma linha de ondulância no horizonte, encostas num sem fim de vinhedos até às águas do rio.

A ponte antiga com arcos de ferro, construída em 1872 para substituição das barcaças usadas antes dessa data, que transportavam passageiros e bens entre as duas margens foi agora restaurada e recuperada como ponte pedonal. Um ponto importante a visitar para quem chegar em passeio à Régua. De lá se aprecia de perto e do alto, o rio Douro e as suas margens, assim como uma bela panorâmica da cidade da Régua.

A ponte de pedra, concluída em 1933, fazia parte de um projeto para levar o Caminho de Ferro a Lamego. Assim não aconteceu, sendo adaptada a rodovia em 1947.

A montante da Régua, a uma distância curta, encontra-se a Barragem de Bagaúste, finalizada em 1973, uma das barragens a produzirem energia, que moldam o rio e permitem a sua navegabilidade. Da Régua ao Pinhão, a estrada é paralela ao rio e a paisagem é digna de observação, não havendo lugar a distrações se estiver ao comando do automóvel. Até ao Pinhão circula pela margem esquerda. Encontra-se a foz do rio Távora que percorre 54 quilómetros, desde Trancoso até ao lugar de Espinho, concelho de Tabuaço.

Avista-se agora a Quinta das Carvalhas, na imponência de um monte que domina da margem sul o Pinhão. Já por ali subiram nas suas encostas, em tempos, os bólides do Rally de Portugal. Na outra margem, o comboio acompanha o rio numa paisagem de sonho. Lá está o Pinhão, um dos principais centros da região do Alto Douro. Aí chegou o primeiro comboio em 1 de junho de 1880. A estação do Caminho de Ferro com os seus 24 painéis de azulejos a representarem a paisagem e costumes dos durienses é o ex-libris desta localidade.

Do Pinhão, inicia-se o caminho para os planaltos do Moscatel - Favaios e Alijó. Para além dos vinhos do Porto e de mesa, aqui se produzem o vinho espumante e o Moscatel.

Cântico ao Amor

"Cântico ao Amor", de Manuela Morais

Prefácio de Pedro Teixeira da Mota

Poesia de amor intensamente sentida, como a Manuela manifesta, pouca prosa pode exigir. Talvez apenas prestar homenagem a tal desejo e fusão, descoberta e amor, outrora intensamente comungado agora, belamente partilhado e realçar o desejo justificado de perenizar o encontro amoroso nos confins da alma ou da galáxia, ou que seja num além que está também neste aquém.

Ler mais...

Flûtes

"Flûtes" ao estilo veneziano

Limpa-se a peça com álcool para lhe retirar qualquer gordura existente. Primeiramente, com a ajuda de uma pequena esponja, cobre-se com "frost" prata a superfície exterior do copo e a base, para adquirirem um aspeto ligeiramente opaco e texturado.

Ler mais...

Quadro Patchwork

Patchwork "Menina" com Cesta

Há muitos desenhos que podem aplicar-se à técnica do Patchwork Embutido. Como em qualquer outro tipo de trabalho há sempre os mais fáceis e outros mais complexos. Esta complexidade aumenta naturalmente com o número de pormenores, sobretudo os que possuem muitos recortes em superfícies muito reduzidas.

Ler mais...

Pintar em madeira e metal

Pintura a Óleo sobre madeira e sobre metal

A madeira é o mais antigo suporte da pintura a óleo. Durante muito tempo, foi também o mais utilizado na execução de retábulos (painéis com cenas religiosas colocados nos altares das igrejas). A madeira é ainda hoje considerada como um dos materiais "nobres", embora a tela seja mais usada pelos artistas.

Ler mais...

Restauro

Restauro de imagem de Santo António

A imagem de Santo António em referência é de madeira e estava pintada a preto. Antes do início da nova pintura, idealizou-se o resultado final e daí fez-se uma seleção das cores a aplicar. Sendo a peça de cor preta, deram-se várias demãos de tinta, principalmente nas superfícies que iriam agora ser claras, como os rostos, as mãos, os pés e as vestes do menino que faz parte da imagem.

Ler mais...

Abajur de Candeeiro

Embelezamento de um abajur de candeeiro de mesa

Apresentamos este exercício que, pela sua simplicidade, poderá despertar algum interesse em todos(as) os(as) que normalmente deixam para outros os pormenores decorativos, limitando-se, muitas vezes, a substituir pequenas peças em casa, usando a facilidade da compra.

Ler mais...

Naturalismo e Estilização

Pintar a realidade ou simplesmente estilizá-la

A História da Arte tem sido marcada, desde as origens, pelo conflito entre o naturalismo e a estilização - a realidade das coisas, dos objetos, das paisagens e realizações humanas em contraposição com a representação muitas vezes designada por abstrata, sem que se percebam verdadeiramente as formas conforme a sua arquitetura real.

Ler mais...

Caixa decorada com guardanapo

Caixa de madeira decorada com recortes de guardanapo

Um dos objetos apropriados e mais apreciados para utilizar a técnica de guardanapo é uma caixa de madeira. Esta pode facilmente ser transformada num elemento decorativo e também num objeto de utilidade, como por exemplo um atraente guarda-jóias. Na escolha de uma caixa, devemos certificar-nos se a tampa não é demasiado justa, pois com as sucessivas camadas de verniz que são exigidas nesta técnica o volume aumenta, impedindo o seu fecho.

Ler mais...

Pergamano guarda-sol florido

Gravura em Folha de Estanho

Técnica passo a passo

Como é evidente, qualquer técnica de artes decorativas artesanais poderá, na sua efetivação e na execução de trabalhos, seguir determinados passos sem que estes sejam exatamente os mesmos para qualquer artista. Aqui deixamos os seguintes que, entendemos, serão um guia simples para levar a cabo uma obra de gravura sobre folha de estanho:

Ler mais...

O Tear do Atelier

Tear: estrutura em madeira

Basicamente, de um modo geral, existem dois tipos de teares: 1. horizontal que, nos primórdios, ficava próximo ao chão (hoje em dia, permanecendo na posição horizontal, fica mais alto, permitindo maior conforto ao tecelão); 2. o vertical que fica em pé.

Ler mais...