NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Atacar por atacar o adversário

Tinha pensado não dar qualquer importância, salvo cumprir o meu dever de cidadão no próximo dia 23, à campanha de Eleições Presidenciais que está a decorrer. Entretanto uma foto do candidato Professor Cavaco Silva que encontrei na Net fez-me mudar de pensamento, e desse modo abordar um assunto que parece surgiu, logo à partida, sem assunto capaz de seduzir os portugueses. Sem adversários políticos ou de cidadania capazes de por mérito próprio o vencerem, Cavaco Silva entrou na corrida à casa que já ocupa, como actual  Presidente da Republica, praticamente na situação de vencedor, testemunho bem expresso é o sorriso e o abraço que nessa foto parece estar a dar a todos os portugueses, sem excepção. Conscientes dessa realidade e da superioridade do adversário, os outros concorrentes nem ao trabalho se deram de apresentar projectos ao eleitorado e apenas vai de desatarem a lavar roupa suja e com isso sujar o nome de Portugal e das instituições que temos.

A democracia tem destes casos, permitir que o medíocre goze da liberdade devida a todos os seus concidadãos. Claro que aqui é o bom senso do cidadão que deve agir, e quando isso não acontece, ou funciona mal, quem acaba por pagar a factura é o erário publico, como tem vindo a acontecer neste País dos bananas, e não das bananas. É exemplo o governo que temos e também o comportamento dos adversários do actual Chefe da Nação Portuguesa, do qual diz um dos seus adversários, não devia ser reeleito porque ao contrário dele e dos seus camaradas é uma figura desconhecida internacionalmente.

Quanto a esse acusatório e menos verdadeiro juízo, recordo que também Al Capone conquistou a fama universal e nem por isso merece o respeito devido às pessoas honradas e ao povo trabalhador e sem voz para se fazer ouvir. Além de que lições de democracia, patriotismo e liberdade vindas dali…, têm o Metro do passado dia 11 para contrapor: "Com mais de três décadas de Parlamento, mas quase nula experiência de gestão de assuntos de Estado. Na realidade, Manuel Alegre foi secretário de Estado por escassos seis meses", e acrescenta: " fica na história por ter sido o governante que encerrou as quatro publicações do grupo da Sociedade Nacional de Tipografia, em Fevereiro de 1977, atirando para o desemprego 900 trabalhadores daquela que era, à época, o maior e mais prestigiado grupo de imprensa de Portugal".  "O Século", "Século Ilustrado", "Vida Mundial" e  "Mulher - Modas e Bordados", foram estes os contemplados... com a democracia de um dos candidatos a Belém. Daí que se tivesse de escolher outro que não Cavaco Silva seria Fernando Nobre o meu preferido, por se revelar o mais ponderado na linguagem e o menos contundente no atacar por atacar o adversário.

Quatro novos pergamanos

Novos pergamanos nas galerias do ArteAzul-Atelier

Uma série de quatro novos trabalhos em papel pergamano encontra-se já exposta através das respetivas imagens na galeria virtual pergamano do ArteAzul-Atelier. 

Ler mais...

Arte: Caminho de Perfeição

A Arte descreve a nossa alma em toda a sua complexidade

Beleza, Arte, Esperança

O problema da beleza põe-se quase sempre em termos de valor/utilidade e surge de forma a sacrificar um interesse imediato, uma necessidade, para fazer, em seu lugar, algo que não tem qualquer utilidade imediata, mas que nos projecta no futuro, que nos representa não como somos, mas como queremos ser, que não responde às exigências do presente, mas às das pessoas vindouras.

Ler mais...

Quadro Patchwork

Patchwork "Menina" com Cesta

Há muitos desenhos que podem aplicar-se à técnica do Patchwork Embutido. Como em qualquer outro tipo de trabalho há sempre os mais fáceis e outros mais complexos. Esta complexidade aumenta naturalmente com o número de pormenores, sobretudo os que possuem muitos recortes em superfícies muito reduzidas.

Ler mais...

Reprodução a Óleo de Arte Sacra

Trabalhos do Atelier, por Amélia Raio

No ArteAzul-Atelier são várias as considerações que pensamos importantes e obrigatoriamente a ter em conta para uma boa reprodução a óleo de Arte Sacra. Entendemos que os procedimentos que utilizamos não obedecem a nenhum rol de regras teóricas estabelecidas por qualquer corrente artística ou por técnicas oriundas das escolas de Belas Artes.

Ler mais...

Pergamano: para momentos especiais

Anúncios e convites em pergamano

Temos apresentado o pergamano essencialmente como motivo decorativo para a realização de quadros de parede e bandejas. O pergamano pode ser utilizado, no entanto, para outros tipos de decoração, adequando-se conjuntos de objetos, normalmente de pequenas dimensões para embelezar ambientes em pequenas superfícies, tampos de móveis, mesas, por exemplo. Esses objetos decorativos podem ser carteirinhas, bolsinhas e outros, executados apenas com a técnica do pergamano ou então efetuando misturas de técnicas onde o pergamano permaneça em destaque.

Ler mais...

Folha de Estanho

Maleabilidade e brilho

A folha de estanho é um bom material para a execução dos mais variados trabalhos artesanais. As suas características como por exemplo a relativa dureza, a maleabilidade e o brilho constituem facilidades e vantagens em relação a outros materiais, pois facilitam o seu manuseamento e o desenrolar do trabalho, resultando em obras de qualidade sem a necessidade de grandes esforços e de utensílios complexos. A folha de estanho é perfeitamente adequada às mãos dos principiantes pela simplicidade das técnicas usadas na realização de obras não muito complicadas.

Ler mais...

São Paulo

Conversão de São Paulo

Terminou ontem o oitavário da Oração pela Unidade dos Cristãos neste ano de 2015. Muitas provas de empenho para que essa unidade se dê, foram dadas no decorrer deste lapso que vai de 18 a 25 de Janeiro, e testadas em encontros de aproximação e oração mais fecunda pela unidade de todos os baptizados. São Paulo, o Apostólo dos gentios, tem com São Pedro, a celebração do seu martírio, a 29 de Junho, mas a Igreja em atenção à importância da sua conversão para a sua história, entendeu consagrar-lhe um dia à parte, o da sua conversão, 25 de Janeiro. Festa que veio substituir a que em Roma se realizava oito dias antes da festa da Cátedra de São Pedro com a trasladação das relíquias de São Paulo, e que pouco a pouco caiu no esquecimento, dando início ao agora vigente oitavário da conversão de Paulo.

Perseguidor que foi dos primeiros cristãos e da Igreja nascente tornou-se num dos mais notáveis paladinos da mensagem evangélica que espalhou e em sua defesa sofreu o martírio. Tomou parte no apedrejamento a Santo Estêvão quando ainda não seguidor da doutrina de Jesus Cristo. Encerrou a semana do oitavário da Oração pela Unidade dos Cristãos, que a energia com que se viveu este tempo não abrande e o convite feito por Jesus a Simão e André sirvam de lenitivo : «Vinde Comigo, e farei de vós pescadores de homens». A Unidade dos Cristãos continua a ser tema a não descorar, e quem o recorda é o Irmão David, um português que vive há 20 anos em Taizé. Quando não há muito passando por Fátima, ao conceder uma entrevista à Agência Ecclesia, lembrou: “devemos continuar este caminho ecuménico não pensando que já fizemos muito, mas percebendo que existe ainda tanto caminho de comunhão a fazer, tal como fez recentemente o Papa Francisco na sua visita a Istambul na Turquia”. E agora no Sri Lanka e Filipinas, acrescento eu.

Saulo, de seu nome original, nasceu no ano X na cidade de Tarso, Cilícia, actual Turquia. Seu pai Eliasar era fariseu e judeu descendente da tribo de Benjamim, e, também um homem forte, instruído, tecelão, comerciante e ílegionário do imperador Augusto. Pelo mérito dos seus serviços recebeu o título de Cidadão Romano, que por tradição era transmitido aos filhos. Aqui o motivo porque São Paulo era cidadão romano. Perseguidor que foi dos primeiros cristãos e da Igreja de Jesus Cristo tornou-se num dos mais notáveis paladinos da mensagem evangélica que espalhou e em sua defesa sofreu o martírio. Preso no Templo, em Jerusalém, defendeu-se frente ao povo e Sinédrio, sendo enviado para Cesareia, onde se apresenta para ser julgado, mas por ser cidadão romano apelou para Roma.

Falta de Convicções

A falta de convicções do Nanico

Como já se disse em artigo anterior o João Nanico não bate bem da bola. O seu ar estorricado deixa transparecer algum rubor de semblante, provocado pela prolongada exposição aos gases fermentados, libertados pelo “canguenho” da época.

Transparece nos seus olhos um certo ar vidrado, provocado talvez pelo movimento de pupila a que é obrigado permanentemente, dada a rapidez com que despe as suas fantasias. Gosta de beber uns copos, encostando-se para um lado ou para o outro, dependendo das suas conveniências e emoções. A sua vida pauta-se pela ausência de convicções, no entanto há uma que mantém: - a que resulta da observação atenta e matematicamente equacionada pela razão entre a superfície rectangular de cor verde e uma bolha de ar saltitante. 

Sem capacidade de encaixe, sente-se-lhe o estalar da vidraça. Tem a virtude de provocar nos que o rodeiam determinado deleite reconfortante, capaz de provocar algum movimento solidário, mal entendido, contudo. Muitas vezes, excede o seu habitual porte deseducado: - esquecendo-se da sua condição de animal racional, e no meio do torpor que o caracteriza, certo de que assim conseguirá, talvez, demarcar terreno e fronteiras, cede aos seus ancestrais instintos, sacudindo-se e ao mesmo tempo mirando-se, com ar triunfante, na parte espelhada da esquina que escolheu.