2001-5.jpg

NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Atacar por atacar o adversário

Tinha pensado não dar qualquer importância, salvo cumprir o meu dever de cidadão no próximo dia 23, à campanha de Eleições Presidenciais que está a decorrer. Entretanto uma foto do candidato Professor Cavaco Silva que encontrei na Net fez-me mudar de pensamento, e desse modo abordar um assunto que parece surgiu, logo à partida, sem assunto capaz de seduzir os portugueses. Sem adversários políticos ou de cidadania capazes de por mérito próprio o vencerem, Cavaco Silva entrou na corrida à casa que já ocupa, como actual  Presidente da Republica, praticamente na situação de vencedor, testemunho bem expresso é o sorriso e o abraço que nessa foto parece estar a dar a todos os portugueses, sem excepção. Conscientes dessa realidade e da superioridade do adversário, os outros concorrentes nem ao trabalho se deram de apresentar projectos ao eleitorado e apenas vai de desatarem a lavar roupa suja e com isso sujar o nome de Portugal e das instituições que temos.

A democracia tem destes casos, permitir que o medíocre goze da liberdade devida a todos os seus concidadãos. Claro que aqui é o bom senso do cidadão que deve agir, e quando isso não acontece, ou funciona mal, quem acaba por pagar a factura é o erário publico, como tem vindo a acontecer neste País dos bananas, e não das bananas. É exemplo o governo que temos e também o comportamento dos adversários do actual Chefe da Nação Portuguesa, do qual diz um dos seus adversários, não devia ser reeleito porque ao contrário dele e dos seus camaradas é uma figura desconhecida internacionalmente.

Quanto a esse acusatório e menos verdadeiro juízo, recordo que também Al Capone conquistou a fama universal e nem por isso merece o respeito devido às pessoas honradas e ao povo trabalhador e sem voz para se fazer ouvir. Além de que lições de democracia, patriotismo e liberdade vindas dali…, têm o Metro do passado dia 11 para contrapor: "Com mais de três décadas de Parlamento, mas quase nula experiência de gestão de assuntos de Estado. Na realidade, Manuel Alegre foi secretário de Estado por escassos seis meses", e acrescenta: " fica na história por ter sido o governante que encerrou as quatro publicações do grupo da Sociedade Nacional de Tipografia, em Fevereiro de 1977, atirando para o desemprego 900 trabalhadores daquela que era, à época, o maior e mais prestigiado grupo de imprensa de Portugal".  "O Século", "Século Ilustrado", "Vida Mundial" e  "Mulher - Modas e Bordados", foram estes os contemplados... com a democracia de um dos candidatos a Belém. Daí que se tivesse de escolher outro que não Cavaco Silva seria Fernando Nobre o meu preferido, por se revelar o mais ponderado na linguagem e o menos contundente no atacar por atacar o adversário.

Folha de Estanho - corte e repuxado

Instrumentos de trabalho

Usando o corte e repuxados em diversos modos, tomando partido da sua maleabilidade, a folha de estanho é um material importantíssimo nas artes decorativas artesanais, podendo-se mesmo classificá-lo como nobre, impondo-se nos trabalhos e obras realizadas com características de singularidade apreciáveis.

Ler mais...

O Découpage

O Découpage integrado na cultura do Pays-d'Enhaut 

Várias conclusões temos vindo a reter da investigação efetuada a esta arte tradicional do Pays-d'Enhaut, na Suiça. Como mencionámos em artigo anterior, o Découpage, ao longo dos tempos, tem sido mais ou menos levado por diante, graças a alguns artistas, normalmente não conceituados no sentido de que são pessoas simples e não inseridas nos privilegiados meios artísticos. Por todo o mundo, desde épocas remotas, a arte de Découpage em papel tem sido efetuada e exercitada. Contudo, é no Pays-d'Enhaut, na Suiça que o Découpage assume um especial relevo pela importância que lhe é dada nos meios culturais da região e por toda a Confederação Helvética.

Ler mais...

Azulejaria

Palavras relacionadas com Azulejaria

Azul: em qualquer dicionário da língua portuguesa lê-se que azul significa uma das cores do espectro solar; céu sem nuvens. De uma forma simplificada, cientificamente, a cor é a sensação dada ao cérebro pelos olhos ao observarem os corpos cujos materiais refletem a luz solar. Sem luz as cores não existem.

Ler mais...

Ferro de Passar

Ferro de Passar antigo transformado em acessório decorativo

O ferro de passar ou ferro de engomar é usado para alisar peças de vestuário, tecidos de cama ou de banho, por ação do calor que acumula através da ligação à rede elétrica. Antigamente, no tempo dos nossos pais e avós, o ferro de passar não era ligado à eletricidade. Fazia parte daquele objeto, usado nas nossas casas, um reservatório onde se colocava carvão incandescente. Este transmitia à parte exterior, principalmente à superfície plana inferior que entrava em contacto com os tecidos, o calor necessário para engomar.

Ler mais...

Profundidade e contrastes

A sensação de profundidade e contrastes luminosos

Especialmente na pintura de paisagens devemos ter bem a noção de espaço para melhor o representarmos. De um modo geral, nas paisagens naturais, esse espaço é amplo no sentido da profundidade, isto é, o primeiro plano deve parecer bem distanciado dos últimos, que, na maioria dos casos, são a representação da linha do horizonte e do céu.

Ler mais...

Conjunto Shabby Chic

Utilidade e decoração

Caixinha, frasquinho de perfume, candeeiro com abajur, quadro, pequeno espelho.

Todas as peças foram executadas segundo o estilo Shabby Chic, usando-se cores brancas e cores pastel (exemplo rosa). Foram aplicadas rendas, pérolas, galões, flores de tecido e fitas de seda, conseguindo-se, deste modo, o estilo romântico característico do Shabby Chic.

Ler mais...

Tintas Vitral

Prato com tintas vitral

Aproveitámos um prato de vidro com círculo central liso e borda circular com textura de formas geométricas irregulares. Esta foi pintada com uma multiplicidade de cores vitral transparentes de que resultou um bonito colorido do tipo dos verdadeiros vitrais.

Ler mais...

Bolsinha Shabby Chic

Bolsinha vintage "shabby chic"

Escolhidos os tecidos para o exterior e para o interior, idealizou-se um modelo de bolsinha ao estilo Shabby Chic. Deste estilo decorativo, como, aliás, fizemos já menção em outros artigos técnicos relacionados com o tema, tomam parte cores e tonalidades adequadas, como acontece, por exemplo, com a cor rosa suave, tal como mostra a imagem.

Ler mais...

Pechiché estilo Queen Anne

Transformação visual de pechiché

Um móvel clássico antigo, cuja estrutura esteja em estado normal de conservação, poderá ser completamente modificado no seu aspeto visual, servindo depois como elemento de utilidade e decoração, mesmo em ambiente moderno. O móvel como mostra a imagem, um pechiché estilo Queen Ann, adquirido em casa de antiguidades, possui uma estrutura sólida em madeira de mogno.

Ler mais...

Região do Douro

Vinho do Porto e paisagem cultural

A paisagem do Douro - região vinhateira do Alto Douro - é uma criação humana concebida pela força das mulheres e dos homens durienses que, durante séculos, moldaram esses montes que circundam o vale do rio Douro. Inúmeros terraços e muros de xisto foram desenhados, construídos sem máquinas com instrumentos rudimentares manuseados pela energia dos braços de sucessivas gerações de famílias que no Douro sempre permaneceram.

Este trabalho de transformação da paisagem duriense e o seu resultado foram, como é do conhecimento geral, os motivos que determinaram para o Alto Douro a classificação de Património da Humanidade pela UNESCO.

O Alto Douro é uma região de características únicas, tendo sido o seu valor reconhecido por aquela organização internacional, contribuindo assim para o desenvolvimento e a implementação de dinâmicas capazes de fazer crescer a região vinhateira do Alto Douro em dois vetores importantes: o vinho e o turismo. Num caso e noutro, sinergias têm surgido nos últimos anos, potenciadoras de crescimento económico. Os vinhos de mesa e não apenas o Vinho do Porto têm-se espalhado por um número cada vez maior de países que dão valor à qualidade e à diversidade. Ao contrário do que acontecia em tempos recuados, hoje, os vinhos, satisfazem os gostos mais variados e exigentes. O próprio Vinho do Porto é produzido atualmente segundo formas diversas: branco, tinto, novo, velho, envelhecido em madeira ou permanecendo em garrafas. Por outro lado, o Douro encontra-se mencionado nos roteiros turísticos internacionais de melhores referências.

Pode afirmar-se seguramente que a região do Alto Douro, através dos seus vinhos e do turismo, é um produto chave de exportação contribuindo largamente para a economia nacional.

Casa das Quintans

A Casa das Quintans, em Mesão Frio, Vila Real

A Casa das Quintans, em Mesão Frio, é uma construção do século XIX que se caracteriza pela harmonia arquitectónica e por uma localização privilegiada, da qual é possível desfrutar de uma magnífica panorâmica sobre o vale do Rio Douro. Porém, não são apenas a beleza da construção e a imperdível paisagem que justificam a visita à Casa das Quintans e respectiva quinta.

Ler mais...

Jovens vão visitar a Assembleia da República

a convite do deputado Luís Ramos

Deputado social-democrata participa na sessão distrital do Parlamento dos Jovens, na próxima segunda-feira

Até ao final do ano lectivo, o deputado Luís Ramos vai organizar uma viagem até à Assembleia da República para 10 estudantes do concelho de Vila Real. 

Ler mais...

Por vários caminhos

Bem comer tendo em conta a qualidade e o preço

A meio do mês de Junho, instalei-me, com a família, numa «vila» de um «resort» próximo de Armação de Pêra. As refeições aconteciam umas em casa e outras em restaurantes. O meu filho propôs irmos comer o célebre «frango da Guia» n’«O Teodósio» (289561318). Mas, os frangos parecem ser da raça dos garnizés. O mais fora do comum são os minúsculos pedacitos do minúsculo frango assado que chega à mesa e assim opera-se o milagre da multiplicação. Gostei mais da salada mista bem temperada e das batatas fritas aos palitos. Também me agradou o serviço de atendimento.

Adorei comer, desde as entradas ao peixe fresco de mar escalado na brasa, no Restaurante do Clube de Pesca Náutica e Desportiva de Albufeira, na Orada, Estrada do Farol (289592332, encerra às terças). Tem bom serviço e muita simpatia. As entradas e o peixe grelhado tornam este lugar de pasto de eleição regional. Por isso, caro leitor, se passar por lá, para almoçar ou jantar, vá cedo para arranjar mesa e não ficar na lista de espera. Parte das minhas férias temporãs, foram passadas em Lisboa, com escapadela à Região do Oeste. Visitei o renovado espaço do Mercado da Ribeira, junto ao Cais de Sodré. Vale a pena ver como se pode inovar, casando bem o antigo edifício com a inovação introduzida, sem assassinar um espaço do mercado tradicional alfacinha e património urbanístico. O resultado está à vista como património arquitectónico e como local de comércio e gastronomia. Não deixe de visitar este espaço comercial, que soube renunciar à descaracterização ou à destruição. Hoje é um espaço de referência para quem nos visita e que prova que saber potenciar um local tradicional, não deve passar pela destruição do antigo.

Ali pode petiscar, tomar uma refeição ou saborear um bom copo de vinho. Nesta maravilha renovada e inovada senti uma grande saudade do antigo Mercado Municipal da Praça de Mirandela e que podia ter renunciado à destruição de tão nobre espaço, se não sucumbisse à lógica falida do cimento. Pior me sinto quando penso na criminosa destruição do Mercado Municipal de Chaves, que hoje podia ser um espaço cultural e de comércio tradicional de referência contra a decadência urbana que afecta as cidades trasmontanas.

Faz-me lembrar que muito do atraso do Porto é fruto da falta de visão dos que têm decidido o destino do património urbano tripeiro. Por isso, saúdo a luta de alguns portuenses contra a descaracterização do mítico Mercado Municipal do Bolhão. Visitem o renovado Mercado da Ribeira, em Lisboa, e poderão concluir que no Porto há «rios» que respeitam e potenciam o património histórico urbano e outros que o destroem e assoreiam pela lógica do betão e que rima com destruição. Esquecia-me de sugerir uma visita à amuralhada vila de Óbidos. Uma pérola rara do nosso património histórico e urbano e que regurgita de comércio e arte. Prove a famosa ginja de Óbidos, mas confira bem o que compra e o que paga.