NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

O bragançano, Virgílio Gomes (irmão do ex-governador civil de Bragança) é um dos maiores especialistas nacionais em gastronomia. Semanalmente somos um dos privilegiados com as suas belas e suculentas crónicas gastronómicas que nos ajudam a recordar saberes da gastronomia tradicional, mas, principalmente, à aquisição de novos saberes dos sabores da mesa e do estômago. Uma vez ou outra, damos-lhe o nosso ponto de vista, que ele recebe sempre com a humildade de bom transmontano. É, talvez, esta sua humildade e descrição quando se expõe que ainda o elevam mais. Por isso, sentimo-nos honrados e agradecidos em nos mimar com as suas crónicas de saberes sobre os sabores. Para os que pretendam consultar o seu site, aqui fica: virgiliogomes.com. Desejamos a Virgílio Gomes, autor do livro «Transmontanices - Causas de Comer», que a sua pena nunca se canse.

Pedra Facetada

"Pedra Facetada" na decoração de superfícies

Esta arte decorativa pode ser aplicada em madeira com superfície plana. Neste caso, tal como mostra a imagem, a tampa de uma caixa de dimensões reduzidas serviu para a demonstração desta técnica. Iniciou-se o trabalho com uma demão de base para artesanato do tipo gesso acrílico, aguardando-se depois a secagem - entre uma a duas horas, dependendo da temperatura ambiente e da quantidade de produto aplicada.

Ler mais...

K-line e platex

K-line e platex no patchwork embutido

No patchwork, o K-line, assim chamado ao suporte que é usado para a incrustação dos tecidos é um material composto por polistireno ou poliestireno e papel, muito leve, e os cortes pelas linhas lá desenhadas executam-se facilmente com um estilete.

Ler mais...

A Arte como Esperança

A arte nasce da diversidade, não da oposição

A arte é o oposto da atualidade. Os jornais, depois de terem sido lidos, deixam de nos interessar. O mesmo acontece com a maior parte dos espetáculos televisivos. Achamo-lhes graça e rimos, mas não podemos vê-los uma segunda ou uma terceira vez. E o mesmo sucede com a maioria dos livros, dos filmes. Interessam-nos, divertem-nos, mas quando repetimos, aborrecem-nos. Todavia, estranhamente, existem alguns que podemos ver ou ler muitas vezes. E de cada vez que o fazemos, descobrimos neles coisas novas, saímos mais enriquecidos. O que têm de especial estas obras que parecem inesgotáveis?

Ler mais...

"Falso" Esmalte

"Falso" Esmalte com cola e tridimensional transparente

O Falso Esmalte pode ser executado em folha ou placa de alumínio. É uma técnica que se baseia na colagem de uma estampa que é depois envernizada com várias camadas (duas ou três) de verniz brilhante e lhe é dado volume com aplicação de tridimensional transparente.

Ler mais...

Douro

Património Mundial

À pendura fiz em meados de Agosto uma agradável incursão por terras da região duriense, onde ido dos lados de Amarante desci a Mesão Frio; e pela Rede e Caldas de Aregos dei comigo no Peso da Régua. Vila desde 1837, a Régua  foi elevada a cidade em 1985, e nessa altura  reconhecida também como Cidade Internacional da Vinha e do Vinho. Situada na margem direita do Douro, esta desenvolvida cidade do distrito de Vila Real é hoje um dos polos de atracção turística mais importantes da região em que está integrada.

Uma vez que a etapa a seguir tinha por fim chegar a Armamar, a decisão foi deixar a Régua e da outra banda do rio tomar a encantadora estrada que marginando o Douro aponta em direcção ao Pinhão, para no primeiro desvio com a indicação da capital da "maçã  de montanha" chegar ao destino.

Vila e sede de concelho do distrito de Viseu, Armamar é o município com mais quilómetros de fronteira com o leito do rio Douro. Além do vinho é também dos maiores produtores nacionais de maçã e esta representa uma das mais importantes fontes de rendimento da população local. O destino seguinte era São João da Pesqueira. Pela estrada que passa pelo lugar da Carrasqueira, onde se colhe uma encantadora panorâmica daquela zona vinhateira, desceu-se novamente à beira rio. Para de novo junto ao rio continuar para montante até que uma placa de sinalização apareça a indicar a "vila possuidora de um dos mais antigos forais, concedido por Fernando, o Magno". Estrada fora, a placa surge já perto do Pinhão; e Casais do Douro é a primeira aldeia que já na estrada de São João da Pesqueira nos aparece. Ali tive pena de não ter podido visitar o Eng. Arlindo Pinto e Cruz, um amigo de longa data, que em Mondim de Basto deixou saudades. Mas em trabalho não se brinca e quem me conduzia leva isso à risca.

Cerca das 12h30, uma boa hora para procurar almoço, estava  a entrar no centro da muito asseada e antiga vila São João da Pesqueira, que na região duriense também faz parte do distrito de Viseu. Pena tive de não poder visitar o seu famoso santuário de São Salvador do Mundo, situado a cerca de 5 km da vila, na estrada que de São João da Pesqueira segue em direcção à barragem do Cachão da Valeira. Ao não fazê-lo, perdi a oportunidade de ver um dos mais belos miradouros do Alto Douro, com vistas sedutoras sobre a zona da Valeira. 

Missão cumprida, agora havia que pensar no regresso a casa. Retomando, em sentido oposto, a mesma estrada de Casais do Douro, mais uma vez desci ao vale para ali, e já nas proximidades da foz do rio Torto, pela ponte de ferro sobre o rio Douro deixar terras da Beira Alta e pela vila do Pinhão entrar em Trás-os-Montes (Vila Real).

O Pinhão é uma povoação atravessada pelo rio que lhe dá o nome e que na margem direita do Douro tem a sua foz. O mesmo rio que reparte a ribeirinha localidade por dois concelhos: Alijo, da margem esquerda, e Sabrosa, da margem direita. O objectivo desta etapa  era  visitar a Zona Industrial de Constantim, e de não demorar demasiado tempo na viagem, dado os dias em Agosto já serem mais curtos e o percurso da jornada ainda longo. Vencida ali a tortuosa ladeira norte do rio Douro, deu tempo ainda para tomar um cafezinho na terra de Miguel Torga, Sabrosa, antes de chegar a Constantim. Aqui, após missão cumprida, foi o regresso a terras do Lis com um passeio indescritível feito pela região onde se produz o famoso vinho que com o nome de "O Porto" é comercializado, a região do Douro, Património Mundial!

Joomla - Configuração

Joomla - Configuração Global

Na área de administração Joomla cliquemos em "Sítio" > "Configuração global". Mesmo por baixo desta expressão aparece-nos um sub menu: Sítio | Sistema | Servidor | Permissões. Para si que é um utilizador iniciado na plataforma Joomla concentre-se apenas no primeiro item, deixando os outros três descansadinhos - não lhes mexa.

Na janela Sítio (não confundir com o menu geral em que aparece também em primeiro lugar o item "Sítio") encontramos um formulário que devemos preencher ou completar o seu preenchimento.

Se pretender configurar a sua plataforma e fazer a manutenção do seu site de modo a não estar acessível online, então clique na opção "Sim" em "Sítio em Manutenção"; selecione a opção "Utilizar mensagem personalizada" e escreva no campo "Mensagem personalizada" algo do género: Este site está em manutenção. Por favor, volte mais tarde.

Em "Configurações de metadados" escreva nos respetivos campos a descrição do site (vinte é o número de palavras ideal para a descrição); os termos-chave e frases que melhor descrevem o seu site, separando as palavras e frases por vírgulas; os direitos de utilização onde descreverá os direitos que cede aos visitantes do seu site no que diz respeito aos conteúdos.

Nas Configurações de SEO e Definições de Cookies, não mexa.

No canto superior direito faça "Guardar".