NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Colagem de Papel

Colagem de Papel sobre uma Superfície

A técnica de colagem é um trabalho artesanal que consiste na fixação de motivos de papel em objetos. Esses motivos de papel são fixos com o auxílio de cola transparente e posteriormente envernizados com sucessivas camadas. Em primeiro lugar, deve ter-se especial cuidado na escolha dos papéis que contêm os motivos. Eles devem ter uma espessura suficientemente forte e resistente para suportarem com facilidade as diversas camadas de verniz.

Ler mais...

Compoteira de Vidro

Execução no interior da peça

Neste caso, a técnica de decoração é executada pelo lado interior da peça. Inicia-se limpando muito bem com álcool. Com o "glitter" dourado, fazem-se arabescos a gosto e deixa-se secar.

Seguidamente, utilizando a pasta de cristal, espalha-se esta em todo o interior com a ajuda de uma pequena trincha. Deixa-se secar durante vinte e quatro horas.

Ler mais...

Aprígio

Vamos ao Aprígio

Foi-me aconselhado por uma amiga flaviense «os milhos no Aprígio» e vivi algum tempo no desejo de os provar. Já não me lembrava bem do seu local, porque há quase 40 anos que não visitava este típico restaurante. Melhor dizendo, desde os meus tempos de namoro e aproveitava o tempo enquanto o cozido à portuguesa não vinha para a mesa. O restaurante cresceu um pouco mas continua acolhedor. A história desta casa de pasto começa pelo início dos anos trinta, do século passado com a «Taberna do Aprígio». Depois, o vinho requeria um «mata-borrão» e, em 1954, o Aprígio Chaves tirou o «Alvará de Taberna», aparecendo as pataniscas, os pastéis de bacalhau, o presunto de Chaves e o pica-pau de carne barrosã. Em 1965, é o filho, António Chaves, que levanta o «Alvará de Restaurante», afirmando-se ao longo destas décadas como uma boa opção gastronómica flaviense. Assim, em meados de Julho, deste «ano da graça», fui bem recebido e servido pelos netos, Aprígio (como o avô) e Luís Chaves que continuam com um bom serviço para restaurantes de gama média. Média no cômputo geral, porque a comida é abundante e tradicional, da que não deixa impertinências no estômago durante a digestão. Por isso, aconselho a visita (276321053) e fica para «Trás-do-Calvário».

Bolo de Maio ou Bolo do Tacho

Ingredientes (para 6 pessoas):

 

500 g farinha milho;

80 g cacau;

40 g manteiga;

4 colheres sopa de café solúvel;

14 colheres sopa de açúcar;

2 colheres sopa de canela em pó;

5 colheres sopa de azeite;

uma pitada de sal e 1 litro de água a ferver.

 

Confecção:

 

Misturar muito bem todos os ingredientes e depois juntar a água a ferver e misturar para que fique uma mistura homogénea. Deixar “descansar” de um dia para o outro. 

No dia seguinte, untar uma forma redonda (sem buraco) com manteiga. Mexer a mistura do dia anterior e colocar na forma já untada. Vai ao forno a 170 graus durante cerca de uma hora.

 

Receita recolhida por Susana Estevam - Brasil e fornecida pela sua avó, natural de Monchique in «As Maias entre mitos e crenças» a publicar por nós brevemente.