NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Pele na figura humana

A cor da pele e sua representação na figura humana

Mais do que qualquer outro tema, a representação da figura humana exige grande rigor na observação das medidas e proporções. Além disso, se a obra é de estilo realista, ela requer fidelidade na reprodução da atitude do modelo.

Ler mais...

Simplificar uma Pintura

Processos usados para simplificar uma pintura

Várias formas de simplificar uma pintura podem ser usadas. Contudo, uma boa parte delas tem a ver com a redução do número de pormenores e também com a redução do número de cores e tons. Por exemplo, na representação de uma paisagem, o mais importante é o conjunto.

Ler mais...

Estanho - técnica mista

Tela com técnica mista estanho/guardanapo

Pinta-se uma tela de caixa alta com acrílicos ou óleos de acordo com as cores do guardanapo escolhido para este trabalho.

Cortam-se alguns motivos do guardanapo, retirando-se as duas partes de papel que não está imprimido e colam-se num pedaço de folha de estanho. Deixar secar.

Ler mais...

Embelezamento de superfícies II

Criar e embelezar superfícies: sugestões

O craquelé e o vintage

Demos conta no artigo anterior de trabalhos que envolvem a criação e embelezamento de superfícies, nomeadamente pequenas caixas fabricadas em madeira.

Ler mais...

Colagem Artística

A Colagem artística e o uso de materiais não tradicionais

Colagem com volume de Kurt Schwitters

Um dos artistas contemporâneos que mais usaram a técnica da colagem foi o norte-americano Robert Rauschenberg. Este artista foi muito influenciado pelo Expressionismo e pelo Dadaísmo. O Dadaísmo é uma corrente artística, englobando não só pintores e escultores, mas também escritores, poetas e músicos que, durante e após a primeira guerra mundial, influenciou diversos autores para formas de expressão artística que contrariavam tudo o que estava estabelecido até então.

Ler mais...

Tintas

Mistura de Tintas

Para reproduzir as cores da natureza e dos objectos é necessário um exercício constante de observação atenta e mistura de tintas. Para este exercício podem usar-se, pelo menos, as cores branco de zinco, amarelo de cádmio, vermelho vivo, verde esmeralda e azul cobalto. Escolha-se um modelo com uma determinada cor. Distribuam-se na paleta as cinco tonalidades referidas, consideradas básicas.

Ler mais...

Obra poética "Memórias e Divagações"

"Memórias e Divagações" de João de Deus Rodrigues

Todos são convidados a participarem na sessão de lançamento da obra poética "Memórias e Divagações", do autor transmontano João de Deus Rodrigues, a ter lugar em Lisboa, na Livraria Ferin, no dia 29 de Maio (sexta-feira), pelas 18h30. Olindo dos Santos Geraldes fará a apresentação.

Ler mais...

A Castanha - dados históricos

A Castanha - dados históricos e biográficos

A palavra latina «castanea» (do grego «kastanon»), deu origem a «castanheiro» e «castanha» (MACHADO, 1977; SÉGUIER, 1976).

Segundo o galego, XAVIER BARREIRO, em «Castañas de Galicia», o fruto do castanheiro, a castanha, é apelidada «nux castanea» e, deixando a via latina, passando à grega, aparenta-se com «kastanaikon karyon», noz "castaniense", nome que recebe na Grécia a castanha cultivada (do souto manso) e que deriva de Kastana, cidade grega, onde poderá ter chegado no século V (A.C)., procedente do Cáucaso (hipótese que estudos polínicos questionam). Nesta data os romanos usavam estacas de madeira de castanheiro para segurar as vides. Curioso é verificar que os gregos antigos davam às castanhas um valor mitológico, chamando-lhe «glandes de Júpiter».

Refere-se que «castanea» pode ter raízes indo-europeias na palavra  "kas", que significa picar, se aduzida aos picos dos ouriços.

O Dicionário "La naturaleza y sus símbolos" (IMPELLUSO, 2003) refere que o nome "Castanha" deriva de "Castanis", uma pequena cidade da Ásia Menor, onde se cultiva este fruto desde tempos muito remotos.

Esta questão leva-nos a outra questão paralela: Damasco, capital da SÍria e damasco, fruto carnudo próximo do pêssego. Quem deu o nome a quem?

Contudo, a existência de um radical linguístico comum aponta para que as palavras castanha e castanheiro tenham dado o nome a vários topónimos. Como a castanha se confunde praticamente com a civilização humana, não encontramos sustentabilidade para uma afirmação categórica em qualquer sentido.

A castanha, a par da bolota, foi usada pelo Homem como alimento, desde  o Paleolítico, isto é, pelo menos há cerca de dois milhões de anos.

Há referências à castanha na Antiguidade Clássica. Já Virgílio o mais célebre poeta romano, imitador hábil dos génios gregos, particularmente Teócrito e Homero, no século I (A.C.), escrevia nas «Bucólicas» sobre as castanhas como veremos mais à frente.

Plínio diz-nos que a castanha se chamava "bolota de Deus", sendo, por esse motivo, posteriormente apelidada de "fruto de Cristo". Por outro lado, não admitia que um fruto vulgar e pouco importante pudesse estar tão cuidadosamente guardado por uma carapaça exterior. Esta especial configuração do ouriço, revestido de vigilantes picos, foi associada na cultura cristã à imagem de Cristo atormentado. Por este mesmo motivo a castanha está ligada à imagem da Virgem Maria e da Imaculada Conceição, isto é, tal como a castanha nasce dentre os espinhos sem lhe causarem dano, também Maria foi imune ao pecado original. Dentro desta visão cristã e mariana, a castanha é associada ao conceito de castidade e pureza, uma vez que, ao estar protegida por uma casca espinhosa, sugere-nos algo que se deve preservar. Aliás o nome latino"castanea" contem a raiz "casta", isto é, pura. A representação de um castanheiro pode considerar-se um símbolo da ressurreição, porque a castanha tem a interessante característica de germinar quase imediatamente depois de ser colhida (IMPELLUSO, 2003).

Na Idade Média, Lançarote do Lago, um dos famosos cavaleiros da Távola Redonda, tal como outros cavaleiros medievais, comiam boas pratadas de castanhas, guarnecidas com carne de suculenta caça ou da criação de animais domésticos e, quando se zangavam, as castanhas voavam para as cabeças dos desentendidos. Ainda hoje, algumas escolas não fazem magustos no S. Martinho para evitarem que os alunos façam tropelias, arremessando castanhas uns aos outros...

in Castanea - uma dádiva dos deuses